Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/01/2014

CASE STUDY: Um imenso Portugal (4)

Uma espécie de sequela de (1), (2) e (3) e um ponto de situação do estado em que o socialismo tropical do PT de Lula da Silva e da «presidenta» Dilma está a deixar o Brasil, depois de 8 anos de 1995 a 2002 em que Fernando Henrique Cardoso domou a inflação endémica e lançou as bases para uma economia moderna e competitiva. Para mais dados e análise ver o Special Report Brazil da Economist.

A produtividade total dos factores (Total factor productivity ou multi-factor productivity), isto é a parte do output de produto que não resulta do inputs de trabalho e capital, estimada com base no resíduo de Sollow, mostra que, ao contrário da América Latina, o Brasil apresenta uma evolução muito desfavorável, sugerindo que os outros factores além do trabalho e do capital, tais como inovação, custo de contexto, ambiente social, etc., têm tido um impacto muito negativo na melhoria da produtividade.


Mas nem tudo são más notícias, a agricultura brasileira mostra uma performance invejável. Com um pequeno aumento da área cultivada a produção agrícola quase triplicou nas últimas 2 décadas, sobretudo devido aos progressos na região MaPiToBa (Maranhão, Piauí, Tocantins e Baía). Possivelmente porque a agricultura beneficiou do esquecimento do governo e das suas manobras intervencionistas.


(Continua)

Sem comentários: