Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/01/2014

Pro memoria (159) – Os credores parecem acreditar cada vez mais, mas ainda não o suficiente

Ontem realizaram-se dois leilões de Bilhetes do Tesouro no total de 1,25 mil milhões de euros – o limite máximo do intervalo do montante indicativo - com maturidades a 3 meses, cerca de 10% do total, e a 12 meses, o restante, a uma taxa de 0,87%, 40 por cento inferior à da emissão de Novembro passado e a mais baixa desde o final de 2009.

Há a parte positiva desta notícia – os credores estão a acreditar mais na capacidade do país cumprir as suas obrigações financeiras. E há a parte negativa – se medirmos a credibilidade pelos yields, hoje os credores acreditam neste governo mais ou menos o mesmo que acreditavam no governo chefiado por José Sócrates com as Finanças entregues a Teixeira dos Santos por volta dos finais de há 4 anos.

1 comentário:

FD disse...

Entretanto parece que as coisas começam mesmo a mudar pela SIC...

http://sicnoticias.sapo.pt/programas/edicaodanoite/2014/01/17/jose-gomes-ferreira-e-ricardo-costa-na-edicao-da-noite