Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/07/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (94) - Em tempo de vírus (LXXI)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Take Another Plan. «Está no terreno» disse o Dr. Pedro Nuno

Não, o Dr. Pedro Nuno não se referia à frota da TAP que essa, sim, está no terreno há um ano e meio. Referia-se ao plano de reestruturação que segundo ele estará aprovado «a breve prazo». Dependendo do que ele quer significar com breve pode ser que sim, ou que não, visto que a CE «vai avançar para investigação aprofundada do plano.

L’État c’est nous

A Dr.ª Ana Paula Vitorino, ex-ministra e actual deputada e cônjuge do ministro Dr. Cabrita, foi considerada suficientemente independente e competente para ser nomeada presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes e como fez parte da comissão parlamentar que lhe fez a audição para nomeação tentou corrigir o relatório da comissão. O descaramento desta gente não tem limites.

Depois do acidente a 200km/h do esposo da Dr.ª Vitorino, também o ministro do Ambiente foi detectado a essa velocidade na A2 e a 160km/h numa estrada nacional. A impunidade desta gente não tem limites.

O estado do Estado sucial administrado pelos socialistas

Cinquenta e um técnicos qualificados recrutados em 2019 e em Abril deste ano colocados na PlanAPP, cuja missão é apoiar a definição de políticas públicas, continuam engavetados à espera.

As obras no Hospital Militar de Belém orçamentadas em 750 mil euros "derraparam" mais de quatro vezes para para 3,2 milhões, e como se fosse pouco, em plena pandemia, foi desactivada a infraestrutura para o tratamento de doenças infecciosas. A coisa é tão escandalosamente incompetente (e talvez corrupta) que motivou uma tomada de posição pública de um grupo de pessoas, médicos e militares, encabeçados pelo general Eanes.

Quando se pensava que já tinha sido atingido o limite...

O Banco de Fomento foi várias vezes anunciado para as «próximas semanas», sucedendo a um banco de fomento que fora privatizado por um governo PS, tinha ressuscitado há três anos e segundo o mesmo ministro já estava criado em Janeiro do ano passado. Afinal não estava e o governo teve de alterar o estatuto do gestor público para colocar os membros da grande família socialista, na circunstância nove administradores e vinte e quatro directores, entre eles, como presidente, o Dr. Vítor Fernandes uma criatura com um vasto currículo que inclui a pertença com o Dr. Santos Ferreira e o Dr. Vara à administração da Caixa que emprestou dinheiro ao Sr. Berardo para comprar uma participação no BCP, para cuja administração o trio foi transladado pelo governo do Eng. Sócrates, e, por último, incluiu também uma relação íntima com o Sr. Vieira do presidente do Benfica. Melhor é impossível.

A família socialista tem imenso jeito para o negócio

O Dr. Medina não se poupa para fazer felizes os munícipes alfacinhas. Além de lhes proporcionar transporte para serem vacinados, oferece-lhes um kit com fruta, um pacote de bolachas de água e sal e uma garrafa de água, convenientemente fornecidos por uma empresa amiga (com um antigo vereador socialista na gestão) a quem muito convenientemente foi feita adjudicação directa por 425 mil euros.

«Estamos preparados»

Ainda se recordam da saga da app StayAway Covid? Desde o lançamento da aplicação em Setembro até agora foram gerados pouco mais de 15 mil códigos equivalentes a cerca de 1,6% dos infectados e desde 1 de Maio até agora foram gerados 420 códigos equivalentes a cerca de 0,9% das infecções activas e nenhum deles foi inserido na aplicação (fonte). Um fiasco, portanto, que serviu para fazer títulos nos jornais amigos durante umas semanas.

A satisfação com o combate à pandemia diz mais sobre os portugueses do que sobre o combate

Qualquer pessoa com um módico de conhecimento e meia dúzia de neurónios activos quando compara o impacto da pandemia nos últimos três meses (leia-se, por exemplo, este esclarecedor artigo da médica Margarida Abreu) percebe que a inadequação das medidas tomadas pelo governo e os constantes ziguezagues são reveladores de um completo desnorte que está a deixar o país de rastos.

Se «três quartos dos inquiridos consideram-se, pelo menos, razoavelmente satisfeitos com as medidas tomadas pelo Governo no âmbito do combate à pandemia», isso pode significar que três quartos dos portugueses não possuem um módico de conhecimento e/ou meia dúzia de neurónios activos.

Boa Nova

O Dr. Pedro Nuno Santos atolado no pântano da TAP desdobra-se em anúncios. Ele são 117-comboios-117 e 819 milhões de euros - «um dia histórico para a ferrovia nacional», postulou com grande humildade -, ele é a «auto-estrada ferroviária» entre Lisboa e Porto.

Também o ministro da Educação, para compensar as dificuldades com a compra de computadores (ver o próximo tópico), anunciou que vai diminuir ainda mais o número de alunos por professor o que, a par da multiplicação do número de disciplinas, é um expediente para amansar a Fenprof, mantendo ou mesmo criando novos empregos, apesar do número de alunos nos últimos dez anos ter descido no ensino básico mais de 300 mil e mais de 100 mil no ensino secundário.

Choque da realidade com a Boa Nova

Em Abril do ano passado foram anunciados 1.200.000 computadores para as escolas. Nove meses depois, em Janeiro, tinham sido entregues 100 mil. Em Março foi anunciado pela terceira ou quarta vez que estão a ser adquiridos mais 350 mil. Há dias o entertainer que faz as vezes de ministro da Educação anunciou que já tinham sido comprados 450 mil e anunciou na comissão parlamentar a compra de mais 600 mil computadores. Nenhum parlamentar reparou que um ano e meio depois do anúncio dos 1.200.000 talvez venham a ser comprados 1.000.000.

A Portugal Ventures é uma sociedade de capital de risco que, diferentemente das anteriores que investiam em empresas já falidas, investe em startups que se destinam a falir mais tarde, pretendendo imitar os venture capitalists (até ao momento só no nome). Segundo a actual gestão confidenciou ao Expresso, na esperança de ver renovado o seu mandato, em três anos a Portugal Ventures investiu directamente 47,3 milhões de euros. 47,3 milhões? Sabendo-se que o investimento médio anual de um venture capitalist ronda USD 200 milhões e o investimento mediano numa startup ronda USD 10 milhões, ainda pensei, não serão 473 milhões? Não, são mesmo 47,3 milhões.

O Programa de Arrendamento Acessível, anunciado pelo Dr. Pedro Nuno em concorrência com outro programa semelhante do Dr. Medina, dois anos depois tem 467 contratos em todo o país. Se o ridículo fosse mortal o Dr. Medina já estaria sozinho na corrida para a vaga de secretário-geral.

Depois de vários anúncios de amanhãs que cantarão para o hidrogénio verde, a Galp e a EDP chegaram agora à conclusão que o projecto de Sines só é viável com subsídios de 150 milhões. Esqueceram-se de concluir que com subsídios qualquer projecto é viável. Para lubrificar a extracção de subsídios o relatório fala em «falhas de mercado» que é a frase cabalística capaz de desencadear orgasmos na mente de um socialista.

Quem desconserta o país tem pretensões de consertar os mercados ou o “oligopólio informal”

Perante o aumento dos preços dos combustíveis que incluem 60% de impostos e margens de comercialização que são um terço ou menos dos impostos, o Dr. Matos Fernandes fala em "oligopólio informal" e anuncia a intervenção do governo nessas margens. Como costumamos dizer aqui neste blogue, quem só tem um martelo vê todos os problemas como pregos.

Euforia

A revisão do rating da Caixa para Baa3 pela Moody's foi vista «com euforia» (Expresso). Com euforia? Mas então a notação Baa3 da Moody's não é a mais baixa imediatamente acima do "junk" e a Caixa não é o maior banco português que tem como accionista único do Estado sucial? Pois é. Está explicada a euforia.

1 comentário:

Anónimo disse...

Vamos lá esperar:
1. que as locomotivas [chamadas de comboios] não venham já equipadas com amianto.
2. que o breve prazo não seja pelas medidas divinas.
> >> Meu Deus quanto é para ti um milhão de anos? — um segundo.
> >> Meu Deus quanto é que é para ti um milhão de Euros? — um cêntimo.
> >> Dá-me um cêntimo — espera um segundo.
3. que terminem os limites de velocidade por todo o país.
4. que passe a haver pena de prisão imediata [sem advogados nem juízes] por cada derrapagem. Condução muito perigosa.
5. que o portuga seja portador de muitas dúzias de neurónios e que não estejam de relações cortadas entre si — cortar relações entre neurónios já deu um prémio Nobel.
6. que os professores, em breve, andem a dar lições uns aos outros.
7. que eu aprenda a cor da electricidade e a do hidrogénio.