Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/04/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (80) - Em tempo de vírus (LVII)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Um marco histórico para a justiça do socialismo no Portugal dos Pequeninos

A obra do Sr. Eng. Sócrates sofreu na passada sexta-feira um verdadeiro branqueamento às mãos do Sr. Juiz Rosa. Para usar a fórmula de Alberto Gonçalves, «onde havia matéria para acusação, havia irregularidades processuais. Onde não havia irregularidades, não havia provas. Onde havia provas, não havia obtenção válida das ditas. Onde havia provas utilizáveis, não havia as suficientes para culpar ninguém. Onde havia provas suficientes, havia motivo para prescrição. Onde não havia prescrição, não havia IRS.» Quem teve muita sorte, segundo Carlos Guimarães Pinto, foi Passos Coelho que poderia ser único acusado na Operação Marquês.

Pendurados na bazuca dos frugais

A expectativa é enorme. Olha-se com ansiedade para o Tribunal Constitucional alemão onde está encalhada a bazuca, critica-se porque o governo só quer receber os subsídios e não quer aproveitar senão uma pequena parte dos empréstimos, parte aliás destinada a torrar no Estado sucial. Deveria  perceber-se que isto não é defeito, é feitio, faz parte do modelo de sobrevivência do Dr. Costa que consiste em alargar a clientela com o dinheiro dos "frugais", fazendo o número do bom aluno que cumpre as regras orçamentais, numa altura em que a maioria dos países as estão a mandar às urtigas para evitar o colapso pandémico da economia.

Como garantir que ninguém controla os disparos da bazuca

Há várias maneiras possíveis. A que o governo vai propor ao parlamento tem a vantagem de criar mais emprego. São cinco entidades a fiscalizar a aplicação dos fundos do PRR: Tribunal de Contas, comissão do governo, comissão parlamentar, uma equipa do ministério das Finanças e outra da Inspecção-Geral de Finanças.

Um elefante branco? Na dúvida façam-se dois

Com a fé do "desta vez vai ser diferente" e a convicção de que um desastre anunciado será um sucesso se lhe chamarmos "Valley", o Dr. Galamba anuncia impante que planeia desenvolver pelo menos dois "hydrogen valleys". A coisa não seria grave e ficaria limitada ao dinheiro torrado em estudos e viagens se este tema fosse apenas um brinquedo que o Dr. Costa deixou na mão do jovem socratista para ele se entreter em vez de conspirar, mas não há a certeza disso.

Esta gente não é séria

O Dr. Siza Vieira a quem o governo tem tirado o sizo e a falta de vergonha, prossegue a saga dos anúncios de apoios garantindo que o PRR português dedicará a maior percentagem de apoios às empresas, enquanto o FMI estima que o défice orçamental português será um dos mais baixos este ano e porquê? Porque os apoios do governo à economia são dos mais baixos.

Temos décadas de experiência na engenharia orçamental

Já tratei inúmeras vezes deste tema nas crónicas e não vou por agora fazê-lo novamente mas não resisto a encaminhar o leitor para este artigo onde Helena Garrido analisa «o milagre da redução do défice».

«Estamos preparados»

Pouco a pouco, vão sendo conhecidos os números que explicam um excesso de mortalidade em relação à média só 70% resultante da pandemia, ao contrário da vilipendiada Suécia em que o excesso de mortalidade é apenas um pouco mais de metade do português e é totalmente justificado pela pandemia (fonte). Ficou agora a saber-se que os transplantes em 2020 foram 21% abaixo de 2019. Estes, como milhões de actos médicos que ficaram por fazer, não se devem, ao contrário da versão oficial, à falta de recursos que aumentaram em 2020 de 5,4 para 5,7 médicos e de 7,4 para 7,6 médicos por mil habitantes. É má gestão pura e dura.

Boa Nova

O Dr. Costa anunciou que a bazuca bafejará os artistas com 244 milhões de euros para lhes comprar obras de arte. Vai ser uma oportunidade imperdível para os encalhados impingirem as suas "coisas". A 10 mil euros à peça dará para 24.400 artistas.

Boa Nova - modalidade habilitação ao concurso de provimento do lugar de SG do PS

A semana passada o Dr. Medina voltou a facturar anúncios à custa do Programa de Renda Acessível anunciando a abertura de candidaturas a 118 apartamentos nos edifícios comprados a pataco à Segurança Social, nos quais foi torrada uma fortuna que nalguns casos colocou os custos em 400 mil euros por apartamento.

Choque da realidade com a Boa Nova

Depois do anúncio há três semanas da "vacinação em massa" de 200 mil professores nos quatro dias dos fins de semana de 27 de Março e de 2 de Abril, a coisa foi escorregando e devido à suspensão da AstraZeneca (um disparate sustentado pelo cagaço), decorrido o terceiro fim de semana, a conclusão ficou para um dos próximos.

A venda da participação na EFACEC, que o governo herdou da Dr.ª Isabel, anda para ser vendida desde Julho do ano passado foi escorregando e neste momento não será antes do Verão.

Choque da realidade com a Boa Nova - modalidade gestão pedronunista

O Dr. Pedro Nuno Santos conseguiu o milagre de até hoje não ter resolvido um único problema da TAP e já ter criado vários, incluindo a saída de uma dezena de directores em áreas-chave. É evidente que ele não verá nisso qualquer problema mas, em vez disso, verá uma oportunidade para colocar os fiéis do pedronunismo e praticará o princípio da gestão pedrounista de transformar qualquer oportunidade num problema.

«Pagar a dívida é ideia de criança»

A semana passada foram colocados mais 4 mil milhões de uma emissão de OT a 10 anos, mas desta vez com um yield que começa a crescer (0,3%). Do final do 3.º trimestre para o final de 2020 a dívida total da economia ao exterior aumentou de 228 para 232 mil milhões (de 111,6% para 114,7% do PIB), enquanto a capacidade de financiamento da economia caiu de 1,2% do PIB em 2019 para 0,1% em 2020.

O crescimento é "poucochinho"

As projecções do FMI de crescimento divulgadas a semana passada não são animadoras para o Portugal dos Pequeninos. O crescimento previsto deste ano desceu de 6,5% em Outubro para 3,9%. Entre 1999 e 2026 o FMI estima que Portugal terá a terceira taxa anual mais baixa de crescimento da Zona Euro e entre 2021e 2026 terá um crescimento inferior a todas as economias as 10 economias do mesmo campeonato, sendo ultrapassado por cinco países da Europa de Leste.

Sem comentários: