Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/05/2020

Jerónimo contra Jerónimo

Vladimir Ilitch de Sousa / Jerónimo Ulianov
Há um Senhor Jerónimo deputado, que aos costumes disse nada quando o governo do Dr. Costa, com quem ele assinou um papel, aprovou em 2017 um contrato com os compradores do Novo Banco que previa injecções regulares nos anos seguintes para compensar as imparidades resultantes da gestão danosa do BES, que o grupo parlamentar a que pertence nunca questionou em devido tempo. Esse mesmo Senhor Jerónimo desde então votou a favor ou absteve-se na aprovação de vários orçamentos, que previam transferências para o Fundo de Resolução destinadas ao Novo Banco, incluindo a de 850 milhões em 2020.

E há outro Senhor Jerónimo, secretário-geral do PCP, que num discurso no cemitério de Baleizão achou «inaceitável» «a preferência (de) injectar mais 850 milhões de euros na banca» em vez de resolver os problemas sociais. Tudo para satisfazer «os grandes interesses do capitalismo reinante», acrescentou e, já que estava com a mão na massa, aproveitou para exigir que se «inicie de imediato a integração do banco na esfera pública».

Das duas, uma. Ou o Senhor Jerónimo deputado não é o mesmo Senhor Jerónimo secretário-geral, ou temos um caso de esquizofrenia.

1 comentário:

Emídio disse...

Bom dia. A verdade é a seguinte, mais do que um caso de esquizofrenia, é um caso de lipofrenia aguda. Mas penso que não nos podemos admirar com comportamentos destes; ao mesmo tempo que repudiam o poder desejam esse mesmo poder, ao mesmo tempo que abominam o capitalismo querem esse mesmo capitalismo, ao mesmo tempo que se indignam com a falta de respostas sociais vão sobrevivendo politicamente à custa dessa falta de respostas sociais. É uma pena e uma vergonha a ignorância cultural e política deste povo, que permite que um partido destes esteja à frente dos destinos do país. É uma pena e uma vergonha existir gente que ainda acredita "nos amanhãs que cantam", achando que o maldito capitalismo só é maldito para as massas e não para eles. É uma vergonha e um escândalo (excepto para o aparelho partidário) querer aplicar as teorias socialistas para os outros, mas não para eles.
Enfim, grassa a ignorância primária, a imbecilidade de caserna, a estupidez ao serviço da partidocracia de gente que se diz representativa dos supremos interesses do povo... que monstruosidade, que mentira!!!!