Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/10/2017

A defesa dos centros de decisão nacional (20) - Unintended consequences (VII)

[Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7),  (8), (9), (10), (11), (12), (13), (14), (15), (16), (17), (18) e (19)]


Recordemos os inúmeros manifestos pela defesa dos centros de decisão nacional, alguns deles assinados por empresários que passado algum tempo venderam a estrangeiros as suas empresas, recordemos as declarações vibrantes de patriotismo e as declarações inchadas de indignação da esquerdalhada em geral, incluindo socialistas, quando o governo «neoliberal» vendeu empresas por imposição do memorando de entendimento assinado pelo PS e resultante do resgate a que conduziu a governação de José Sócrates durante seis anos.

Recordado isso, estamos em condições de apreciar o «roadshow internacional para vender os grandes projetos portuários portugueses» que a ministra do Mar começou ontem em Pequim na companhia de 40 empresas nacionais para apresentar esses projectos a investidores chineses.

É claro para quem não se descola da realidade que esta necessidade de vender o país aos retalhos surge incontornavelmente pelo endividamento gigantesco de públicos e privados e pela consequente descapitalização da economia portuguesa, consequência de décadas a viver acima das posses. Dois anos atrás e teríamos comunistas e berloquistas a uivaram indignações, esperemos para ver como reagem agora que têm o rabo preso na geringonça.

2 comentários:

Anónimo disse...

A propósito de defesa e pistolas...
Sabiam que os gatunos de Tancos devolveram um caixote com armas que não tinha sido roubado?
Já não há gatunos como antigamente em que:
"Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão"

Zé do Telhado

neves disse...

Ahhh, são apenas os juros...malta honesta.

neves