Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/10/2017

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (104)

Outras avarias da geringonça.

Já está em marcha a retaliação dos comunistas pela derrota nas autárquicas. Jerónimo ameaça mais luta nas ruas, diz que não está amarrado a nenhum acordo, acusa o PS e o BE de hostilização e de mentiras. A Fenprof anuncia uma greve parcial dos professores a partir de 2 de Novembro se não forem atendidas as suas exigências. Professores aproveitam o 5 de Outubro e entoam cânticos ao «Marcelo amigo». Os polícias dizem que estão fartos. Depois de não se ter entendido com o ministério das Finanças sobre o descongelamento de carreiras na reunião da passada 6.ª Feira, a CGTP convocou uma greve da função pública para o dia 27.

Já que falamos nos professores, registe-se que os resultados das provas de aferição do ensino básico foram desastrosos não só nas disciplinas onde já era habitual, como a matemática, mas em outras disciplinas. Um dos padrinhos do Costa, que está agora de secretário-geral nas Nações Unidas, tinha uma paixão pela educação (com maiúscula), que deu os resultados que se sabe. Receio que o afilhado tenha herdado a paixão.

Registem-se também os efeitos secundários da necessidade do governo de Costa apaziguar as obsessões berloquistas, neste caso a nova Lei dos Estrangeiros proposta pelo BE que permite a concessão de residência a quem tenha uma promessa de trabalho. O governo demitiu a directora do SEF que tinha nomeado por ter salientado as consequências de uma lei irresponsável e quatro dias depois os directores adjuntos demitiram-se.

A dívida pública continua de boa saúde e recomenda-se. A dívida bruta apesar do pagamento antecipada ao FMI continua a subir e ultrapassou em Agosto os 250 mil milhões. A dívida líquida de depósitos teve um decréscimo de 1,7 mil milhões que só para efeitos de agitprop poderia ser apresentada como o trambolhão anunciado pelo Alquimista e o seu ajudante. Para já, em vez do trambolhão, temos o anúncio pelo IGCP de dois próximos leilões de BT totalizando 2,75 mil milhões.

O «trambolhão» pode esperar (fonte)

Afinal sempre há um «défice oculto», reconheceu o tele-evangelista Louçã, agora reconvertido em respeitável figura de cera do regime, em entrevista ao jornal Eco: «Há um défice oculto quando o Estado não faz os gastos que tinha de fazer na renovação do sistema de Saúde, por exemplo.» Lá mostrou a careca do Alquimista e das suas cativações e outras alquimias. Apesar de Louçã ter esclarecido que não estava «a falar nos pagamentos atrasados, porque esses são contabilizados», o certo que os pagamentos atrasados são outro dos problemas recorrentes e a CE deu um prazo de dois meses para o governo cumprir a Directiva 2011/7/UE sob pena de uma acção no Tribunal da UE,

A mesma CE no seu relatório da 6.ª missão pós-programa concluiu que as «reformas para o emprego do setor público já não se destinam à redução de custos», por exemplo a regra das duas saídas por uma admissão não tem sido respeitada. Louça e CE ambos têm razão: o governo não realiza a despesa indispensável para manter a resposta da máquina administrativa porque aumenta as despesas com pessoal para comprar a sua clientela eleitoral e manter sossegados os parceiros da geringonça.

Além da despesa não realizada de que fala Louçã, há a despesa relacionada com as funções de soberania, como a defesa, que o governo, preocupado em manter a clientela feliz, mete debaixo do tapete «(leia-se a este respeito o artigo de Miranda Sarmento «Funções de soberania e despesa pública»).

Entretanto, na sociedade civil, como se dizia nos tempos pós-PREC em que o Estado controlava 30% do PIB, o saldo do crédito a particulares diminuiu ligeiramente (0,6%) em Agosto e os novos empréstimos às empresas continuam a cair (menos 3,1% ). O rácio de malparado das empresas diminuiu ligeiramente (0,1%) em relação a Julho mas o número de devedores aumentou 0,4% e atingiu a bela percentagem de 27% - ou seja, mais de um quarto das empresas não financeiras com créditos bancários estão em incumprimento.

A venda de automóveis desacelerou ligeiramente em Setembro, no entanto o crescimento homólogo foi de 8,3%. E não, não se trata de investimento: a venda de veículos pesados diminuiu 18% até Setembro.

E, por último, além do anunciado «trambolhão» da dívida pública que não acontece, mais um dos testes «o algodão não engana»: o relatório do Eurostat confirmou o défice de conta corrente da balança de pagamento portuguesa atingiu 1,1 mil milhões de euros, o que nos situa no quarto lugar dos défices da UE28 em valor absoluto, em percentagem do PIB estamos no pódio atrás da Roménia. Desta vez vai ser diferente? Não acreditem.

Sem comentários: