Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/10/2017

DIÁRIO DE BORDO: Senhor, concedei-nos a graça de não termos outros cinco anos de TV Marcelo (47) - Os vários marcelos de Marcelo

Outras preces.

Agora que Marcelo Rebelo de Sousa atingiu a aprovação quase unânime com a declaração de Oliveira do Hospital em que entalou o governo, irritou a esquerdalhada (que rosna em silêncio a sua raiva contida pela popularidade do PR) e deixou excitada a não esquerda à beira de uma ejaculação precoce, torna-se ainda mais importante tentar um retrato de MRS sem as espessas camadas de maquilhagem mediática.

É por isso de leitura obrigatória o que disse em entrevista ao Expresso de ontem Carlos Blanco de Morais, seu aluno e assistente e de quem MRS foi orientador da tese de doutoramento. Lá se encontram os traços que por aqui temos apontado como perigosos num PR: a volubilidade, o catavento mediático, o populismo ("inclusivo") e a obsessão pela popularidade, o manobrismo, o calculismo e a frieza por trás da fachada dos afectos. Aqui vão alguns excertos. Não digam que não foram avisados.

«Depois do que aconteceu é difícil que continue a sua função de escudo ou para-raios. O que não quer dizer, até tendo em vista a idiossincrasia e psicologia do PR, que é muito fluida e por vezes volúvel, que tenha rompido com a atual coligação. Tenho as maiores dúvidas. (…)

Que eu designei como semipopulismo porque o PR capta e diz aquilo que a população quer ouvir e isso faz parte das características do populismo. A sua conduta e gestos de natureza simbólica marcam esse entrosamento entre o chefe de Estado e a população comum. Só não será populismo porque os populistas operam habitualmente através de uma dicotomia amigo-inimigo, fixam a existência de um adversário. O PR não, tem um discurso inclusivo. A ideia não é estabelecer um inimigo, mas resolver problemas e captar todas as dificuldades, anseios e vender alguns sonhos. (…)

É um populismo de escalão mais entrosado com a população comum, o que implica uma mistura entre sensibilidade pessoal e teatro, que gere admiravelmente. (…)

O PR até agora usou muito pouco os seus poderes jurídico-constitucionais, teve uma função tribunícia, fez advertências, usou da palavra e da sua proximidade. Aí, inflou a sua popularidade. A estratégia presidencial desta 'cooperação de veludo' foi entrosar-se com o Governo apanhando o embalo do estado de graça deste, inflando a sua popularidade e em função dela pretende usá-la politicamente, convertendo esse acumulador de popularidade numa manifestação de autoridade. (…)

A ideia de que o Presidente fez agora uma ameaça de dissolver o Parlamento é um mero desejo. O PR é muito flexível, respira política 24h por dia e é cauteloso. Só dissolveria com a certeza clara de que o partido do poder não retornaria mais forte ou em coligação. (…)

Se há alguém que faz cálculos políticos e não atua emotivamente é o PR. A gestão de afetos faz parte da sua estratégia presidencial, mas a idiossincrasia do Presidente é fria e de jogador. (…)

O comentador não morreu na figura do PR, foi apenas reconvertido numa função tribunícia. (…)

Mesmo para os 'marcelólogos', o PR é sempre imprevisível. Ninguém pode estar seguro em momento nenhum de qual vai ser a sua conduta. A única coisa de que se pode ter a certeza é de que nunca afrontará de forma ostensiva o vento da opinião pública.»

Sem comentários: