Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/10/2017

AVALIAÇÃO CONTINUA: Ficou-lhe a alma para trás

Secção Padre Anchieta

Corria o ano de 1554, num certo dia, numa breve parada, após longa, acelerada e extenuante caminhada para Reritiba à frente dos Tupis que lhe carregavam as trouxas, o Padre Anchieta deu-se conta que os índios, sentados sobre as suas tralhas se recusavam a recomeçar. Perguntando-lhes o porquê, explicaram-se os Tupis, com grande soma de pachorra, que na rapidez da caminhada a alma lhes tinha ficado para trás e tinham precisão de esperar por ela.

Vem esta lenda, que inspira a secção, a propósito do nosso primeiro-ministro que descobriu recentemente, após 110 mortos, que a sua pose arrogante não era muito apreciada nestas alturas dramáticas. E foi assim que, inspirado na pose do presidente dos Afectos que tem tido imenso sucesso, resolveu fazer um facelift e iniciar uma peregrinação pelos Cus de Judas ou pelo Portugal Real, como se dizia nos anos 80.

Começou em Pedrógão Grande e continuou pelo distrito de Coimbra a distribuir sorrisos e abraços como este aqui ao lado, a espalhar afectos, a anunciar o maná dos subsídios, a enumerar os milagres que já foram feitos e os que ainda haveriam de ser até ao Natal.

O Semanário de Reverência descreve aqui, com grande soma de pormenores e muita poesia, a descida de Costa até ao Povo prometendo que «o bacalhau já será nas casas».

Infelizmente para os resultados futuros da digressão, Costa não tem o talento do Ti Célinho e, à força de querer parecer outro, pode acabar por não saber quem é, deixar a alma para trás e perder a pouca autenticidade que ainda lhe resta quando se mostra no seu estado natural - a arrogância.

Por tudo isso, ofereço-lhe em quantidades discricionárias chateaubriands (por confundir os Cus de Judas com Lisbolha), pilatos (por ter lavado as mãos das suas responsabilidades pessoais e directas no desastre do combate aos incêndios - recorde-se aqui e aqui) e ignóbeis (pelo postiço dos afectos e dos abraços).

Sem comentários: