Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/10/2017

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS: O alívio quantitativo aliviará? (53) Unintended consequences (XIV)

Outras marteladas.

Hesitei entre incluir este post nesta série, sem dúvida a mais apropriada, ou incluí-lo na série Acredite se quiser. Depois de vários anos de injecções de alívio quantitativo e juros tendencialmente nulos, cujo efeito foi evanescente no crescimento da economia, que só começou a animar-se quando precisamente as medidas do BCE começaram a atenuar-se, Mario Draghi parece querer substituir essas medidas não convencionais - a chamada bazuca de Draghi - por... aumentos de salário bem acima da inflação.

Em breve substituída por aumentos de salário

Pelo menos foi assim que o Financial Times interpretou o seu lobbying e se propôs explicar aos leitores «Why the ECB wants unions to increase wage demands». Daí que há quem considere ser uma boa notícia para o BCE se o IG Metall, o sindicato alemão para a indústria eléctrica e metalúrgica, colocar a fasquia das negociações em 3 ou 4%. Whatever it takes, acrescentará o Mario. Por exemplo, it takes perda de competitividade. como as taxas de juro zeradas takes biliões de investimento em projectos com TIR inferior às taxas de juro históricas.

Sem comentários: