Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/10/2017

CAMINHO PARA A SERVIDÃO: L'État c'est lui

Os mais de 2 mil delegados ao congresso do Partido Comunista da China que terminou esta semana passada aprovaram incluir o nome e o pensamento de Xi Jinping nos seus estatutos, colocando-o no mesmo patamar de Mao Zedong, fundador e divindade da religião maoista. Perguntados se tinham alguma objecção à consagração nos estatutos do «Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas para a Nova Era» os delegados responderam com gritos de meió  (nenhum), como mostra o vídeo publicado pela BBC.

É interessante constatar que entre os países alguma vez dirigidos por um partido comunista a China é o único bem sucedido no campo económico ao substituir o comunismo por um sistema capitalista de direcção central, dominado por uma poderosa nomenclatura de apparatchiks liderada por um ditador de facto. Isto foi possível graças ao génio de Deng Xiaoping. Em contraponto, os russos tiveram um Mikhail Gorbachev que tentou salvar o sistema soviético injectando-lhe democracia, sem perceber não ser possível ter sol na eira e chuva no nabal. O seu idealismo levou a Rússia a ficar com sol no nabal e chuva na eira e uma plutocracia administrada pelo czar Putin.

Sem comentários: