Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/12/2016

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (LX) - A Grécia ainda existe?

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

A pergunta do título é evidentemente retórica, mas menos do que parece. Voltou agora a falar-se a pretexto de mais um pacote de medidas para reduzir o serviço da dívida que continua cada vez mais homérica.

Quem lê regularmente a imprensa doméstica apercebeu-se que o tema crise grega foi rareando à medida que esmoreciam as grandes esperanças depositadas pela esquerdalhada na coligação das extremas esquerda e direita Syriza-Anel. O jornalismo de causas, obedientemente, mudou o seu foco para a sobrevivência da geringonça e mais recentemente para as ameaças do trumpismo.


Grandes esperanças que esmoreceram ao mesmo ritmo do cansaço dos eleitores gregos desiludidos, cada vez mais inclinados para o centro-direita da Nova Democracia, um partido «chato, tecnocrático e líder das pesquisas» como escreve a Economist.

Sem comentários: