Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/12/2016

ARTIGO DEFUNTO: Jornalismo de "referência" é o jornalismo de causas adoptado pelo jornal que se diz de referência

1.ª página do Caderno Principal do Expresso
«Marcelo Rebelo de Sousa, que será sempre o acrobata invisível na arena, pode preferir Montenegro por preterir Rio e, paradoxalmente, querer por isso proteger Passos de um congresso extraordinário que favoreça o ex-autarca do Porto: e, assim, o Presidente do país dará a mão ao presidente do partido até às autárquicas.»

Pedro Santos Guerreiro, director do Expresso

«Críticos podem convocar congresso até à primavera»
Título da página 10.

«Marcelo dá mão ao líder do PSD»
Título da página 11.

Só um jornal de "referência" consegue dedicar duas páginas a tratar de factóides em parte da sua própria criação não citando as fontes, de onde se conclui ter acesso ao cortex pré-frontal do presidente da República.

Estas manobras permitem completar esta conclusão:  Passos Coelho não é o líder da oposição que a geringonça e o presidente dos Afectos precisam e, pelos vistos, também não do jornalismo de causas que lhe procura obsessivamente um substituto, o que talvez faça dele um candidato a líder que a oposição precisa (e o país, quem sabe?).

Sem comentários: