Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/11/2010

Vou esperar mais algum tempo antes de me declarar admirador de António Mexia (2)

Escrevi aqui que, antes de me declarar admirador de Mexia, esperaria pela realização de um certo número de condições. Uma delas está a caminho de ser cumprida: Mexia ser presidente duma empresa sem golden share. Faltam as restantes: uma empresa sem o Estado como accionista, actuando num mercado concorrencial de bens ou serviços transaccionáveis, sem subsídios, uma empresa que não seja um quase monopólio.

Como o próprio Mexia em entrevista ao Sol reconheceu distraidamente, puxando a brasa à sardinha dos pontos fortes da EDP, esta tem «um perfil de resultados operacionais 80% regulados ou contratados a longo prazo, incluindo as renováveis», Reconheceu igualmente o colo do Estado cuja presença «tem sido positiva para a nossa capacidade de desenvolvimento». Em vão li avidamente até ao fim a entrevista esperando encontrar uma declaração de renúncia a 80% da sua remuneração por dispor de condições que põem a gestão da EDP ao alcance dum gestor apenas mediano.

Sem comentários: