Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/11/2010

Lost in translation (69) – o BES tem condições para emprestar ao Estado acima dos 7%

Com a yield da dívida pública portuguesa a passar os 7%, limiar que Teixeira dos Santos recentemente considerou como o máximo admissível antes de chamar os bombeiros, o inefável espírito José Maria Ricciardi apressou-se a garantir que «Portugal tem condições para se financiar a 7%». Pelo menos enquanto o BCE aceitar como colateral as OT portuguesas e nos emprestar a 1%, esqueceu-se ele de acrescentar.

Por falar nisso, dando de barato a bondade da narrativa do bem-pensantismo nacional, porque não se dispõe o BES a emprestar dinheiro a 10 anos ao governo às taxas que paga ao BCE com um spread igual ao do crédito à habitação a 30 anos? O que seria um bom negócio e talvez lhes permitisse escapar ao labéu «abutres especuladores» de Miguel Sousa Tavares.

Sem comentários: