Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/11/2010

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (30) – Puro prazer

Paulo Campos, secretário de estado adjunto das Obras Públicas, nomeou em 2005 e mais recentemente em 2009 dois dos seus amigos para a administração dos CTT e empresas participadas. Os três haviam sido gerentes da empresa produtora de espectáculos «Puro Prazer».

Este paradigma do novo situacionismo (*) corresponde a práticas que nos países democráticos, ainda que não expressamente proibidas por lei, são consideradas contaminadas pelo conflito de interesses e por isso condenáveis. E daí? Os fins prosseguidos por este social-situacionismo são apenas a procura do bem-estar dos seus membros.

(*) Esta expressão é um pouco ofensiva para os situacionistas do salazarismo onde estas situações ocorriam com menor frequência e sobretudo, ocorrendo, com muito maior pudor.

Sem comentários: