Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/11/2010

Lost in translation (70) – porque as nossas elites são incompetentes, negligentes e frequentemente corruptas, para sermos rigorosos

«Chamar o FMI é como dizer: Temos de chamar os inteligentes porque nós somos burros», disse o inefável espírito José Maria Ricciardi aos jornalistas. É certo que os portugueses são burros. Contudo, em rigor, é necessário explicar porque somos burros. Somos burros porque elegemos políticos e toleramos empresários e dirigentes incompetentes, negligentes e frequentemente corruptos. Somos tão burros que até consideramos (pelo menos alguns de nós consideram) como la crème de la crème empresarial quem mata o mensageiro por não gostar da mensagem. Ficamos a aguardar que, quando chegar a altura dos outros mensageiros trazerem a má nova, o BES os mate também.

[A degradação do rating do BES talvez resulte da Fitch ter olhado para o peso crescente da dívida pública portuguesa nos activos do BES e ter reparado no mismatch entre activos de médio e longo prazo e passivos (empréstimos do BCE) de curtíssimo prazo. Isto sou eu a especular.]

Sem comentários: