Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/11/2010

A diferença entre ser bom e vender-se bem

António Horta Osório actual presidente executivo do Santander em Inglaterra vai ser nomeado presidente do Lloyds Bank, que atravessa uma grave crise. É provavelmente o gestor português mais capaz e com maior notoriedade internacional que lhe advém dos resultados conseguidos em Portugal e, sobretudo, em Inglaterra. Tem sido uma pessoa discreta e durante o seu tempo como presidente executivo do Santander em Portugal a sua aparição na média era esporádica e nunca parece ter tido spin doctors a tratar-lhe da imagem.

Admito que António Mexia, um dos gestores mais venerados na média doméstica, poderia um dia chegar perto dos calcanhares de Horta Osório, caso fosse capaz de dedicar às empresas por onde tem passado o talento que despende com a gestão da sua imagem e o tempo que despende com a sua corte mediática, a cortejar os Espíritos e a conspirar com os poderes fácticos.

Sem comentários: