Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/05/2017

Pro memoria (344) - Costa e a redução da dívida da câmara de Lisboa

A narrativa

«Num debate quinzenal pontuado pela troca de argumento em torno dos méritos herdados de anteriores executivos, o primeiro-ministro lembrou a líder centrista que "em 2009 estava a reduzir em 40% a dívida herdada na câmara de Lisboa" governada por Carmona Rodrigues, actual apoiante da candidatura de Assunção Cristas à autarquia da capital.» (Negócios)

Os factos

A dívida foi reduzida à custa de
  • 286 milhões pagos em 2012 pelo governo PSD-CDS pela compra há mais de 70 anos dos terrenos do aeroporto, 20 anos antes de Costa ter nascido, e pela «compra» dos terrenos da Expo, uns 20 anos antes de Costa ter aterrado na câmara;
  • venda de 500 milhões do património municipal;
  • transferência da dívida para as empresas municipais;
  • extorsão de taxas e taxinhas aos lisboetas e empresas com sede em Lisboa que por habitante é mais de 80% superior à do Porto.
Ainda assim a dívida por habitante em Lisboa é 1.338 € (2,7 vezes a do Porto).

Ver os vários posts que o (Im)pertinências dedicou ao milagre da dívida de Costa em Lisboa, nomeadamente:
O mandato de Costa na câmara de Lisboa foi uma espécie de ensaio de soluções miraculosas e um estágio de preparação para S. Bento.

1 comentário:

Anónimo disse...

Qué bárbaro, dizem nuestros hermanos.