Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/05/2017

Costa fez crescer a economia, ganhou a Eurovisão e, já agora, o tetra

«Costa é suficientemente honesto para admitir que não cantou na Ucrânia. Mas no caso da economia, insistirá em que o mérito é seu: foi a sua “reposição de rendimentos”, como ensinou ontem, que operou o milagre. Muito bem. Sabem quando é que ocorreu a maior taxa de crescimento antes do trimestre passado? Exacto: em 2010, na véspera da bancarrota, depois de José Sócrates ter reposto rendimentos no ano eleitoral de 2009.  (...)

Há um elemento comum nestas duas partes da ilusão: o desaparecimento dos antecedentes, a eliminação da causalidade. Entre 2011 e 2015, desapareceu o governo socrático, que endividou o país e chamou a troika. Desde 2015, desapareceu Passos Coelho, que, quase sozinho, conseguiu renegociar as condições do ajustamento e executá-lo. Na primeira parte da ilusão, Sócrates foi encoberto para concentrar todas as culpas em Passos Coelho; na segunda parte, é Passos quem desaparece, para que António Costa recolha todas as palmas.

Mas em que consiste então a ilusão? A ilusão é a ideia de que a prosperidade depende totalmente do poder do Estado, que a riqueza é uma torneira que os governos abrem e fecham quando lhes apetece. Se Portugal não teve festa em 2012, foi porque Passos não quis. Se Portugal faz festa em 2017, é porque Costa quer. E portanto, não temos de nos preocupar com quem nos tenta convencer a melhorar as condições para o investimento e o trabalho em Portugal. A única coisa de que precisamos é de primeiros-ministros que distribuam dinheiro.»

«Não foi António Costa quem ganhou a Eurovisão?», Rui Ramos no Observador

Sem comentários: