Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/05/2017

DIÁRIO DE BORDO: Consequências talvez indesejadas

Desapontada com o desapego de Trump pelo artigo 5.º do tratado da NATO (*) e a pressão para que todos os sócios do clube paguem a sua parte na festa, Angela Markel disse no domingo num comício em Munique que «estão a ficar para trás os tempos em que podíamos contar com outros».

Haverá quem tenha concluído dessas palavras que a Óropa iria tomar conta de si e disfarce mal o regozijo por pensar ver-se livre do abraço do urso do outro lado do Atlântico. Quem assim pensa, deverá pensar outra vez, por várias razões que a história ilustra, para além da óbvia (Trump é apenas o 45.º presidente americano e até pode vir a ser impugnado): (1) o abraço do urso do outro lado dos Urais é muito mais sufocante; (2) numa Europa amante da paz entregue a si própria e sofrendo das fantasias do softpower a «questão alemã» voltará à agenda e (3) last but not least para quem já está empenhado, a festa não é barata,

 Artigo 5
As Partes concordam em que um ataque armado contra uma ou várias delas na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque a todas, e, consequentemente, concordam em que, se um tal ataque armado se verificar, cada uma, no exercício do direito de legítima defesa, individual ou colectiva, reconhecido pelo artigo 51.° da Carta dias Nações Unidas, prestará assistência à Parte ou Partes assim atacadas, praticando sem demora, individualmente e de acordo com as restantes Partes, a acção que considerar necessária, inclusive o emprego da força armada, para restaurar e garantir a segurança na região do Atlântico Norte.

Sem comentários: