Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/05/2017

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: A nobre inveja lusitana (e a nossa rejeição atávica da concorrência)

«Catarina Martins comunicou ao povo deslumbrado que não havia liberdade sem igualdade. Em 1793 Robespierre disse exactamente o mesmo e começou logo a cortar cabeças. A nossa Catarina, na sua imensa moderação, ainda não cortou a cabeça a ninguém. Mas sempre vai espicaçando o governo e o Presidente da República para tornarem Portugal inabitável e paralítico. As criaturas que hoje nos governam não podem ver um tostão a ninguém. Marcelo anda por aí a fazer propaganda contra os gestores que ganham muito, e suponho que está a chocar uma lei para acabar com essas imundas sanguessugas dos pobres. Pensa ele que se trata de uma questão de moralidade. Pensa mal. Do que se trata é da nobre inveja lusitana e do horror por qualquer manifestação de inteligência, habilidade e saber. A igualdade também não entra nesta sopa turva.»

Excerto de «A compressão de Portugal», Vasco Pulido Valente no Observador

Acrescento que o nosso horror por qualquer manifestação de inteligência, habilidade e saber e a nossa rejeição atávica da concorrência não garantem que os nossos gestores e em geral as nossas elites mais abonadas se salientem pela inteligência, habilidade e saber. De onde resulta que em muitos casos há razões objectivas para os ver como imundas sanguessugas dos pobres.

Sem comentários: