Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/05/2017

Lost in translation (290) - Temos de esperar pela saída do procedimento por défice excessivo


«Houve uma gravíssima crise e um conflito entre o Governo e a maioria política e o governador do Banco de Portugal, a propósito do processo de resolução do Novo Banco. Nessa altura, foi a minha opinião e de algumas outras pessoas que devia ter sido invocada uma falta grave e, portanto, devia ter sido iniciado o processo de substituição do governador. O Governo escolheu não o fazer e, portanto, esse assunto está encerrado, não há agora um processo de substituição do governador e não vai haver no contexto que estamos a viver.»

Assim falou o tele-evangelista, trotskista em pousio, fundador e dirigente da Liga Comunista Internacionalista - IV Internacional, fundador, dirigente e ideólogo do Bloco de Esquerda (um sortido variado de trotskistas, estalinistas e maoistas, muitos deles transmutados no radicalismo chic), especialista no entrismo e actual dignitário do regime com cargos no Conselho de Estado e do Conselho Consultivo do Banco de Portugal.

Podem os Costas, o de S. Bento e o da Rua do Comércio, a partir de agora ficar descansados? Suspeito que não. Suspeito que esse assunto deixará de estar encerrado quando se alterar o contexto em que estamos a viver, por exemplo se e quando se der a saída do procedimento de défice excessivo.

Sem comentários: