Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/05/2017

ARTIGO DEFUNTO: História de causas, problemas com a aritmética e a manipulação do costume

No seu afã de educar os leitores nas suas causas, o Expresso reescreve a história e coloca Salazar a recusar encontrar-se com Paulo VI e este a receber três anos antes do tempo os líderes dos partidos independentistas das colónias portuguesas. Se quanto à cronologia ainda se desculpa, quanto à recusa de Salazar se encontrar com o papa não lembraria ao Anticristo pelo absurdo, nem a quem tenha uma ideia mínima do pensamento do Botas. Desta vez o semanário de reverência teve azar porque os seus «factos alternativos» caíram sob o escrutínio histórico de Helena Matos.

Uns dias antes tinha o mesmo semanário trocado os pés pelas mãos com as contas da saúde pública e, no mesmo dia em que rescreveu a história da visita de Paulo VI, referiu na sua edição broadshit broadsheet outros «factos alternativos» ou sugestão dos mesmos às mentes frágeis.

Por exemplo, a propósito das conclusões do Grupo de Trabalho sobre a Sustentabilidade da Dívida Externa, foi plantado na primeira página do caderno de economia o título «Reestruturação suave da dívida poupou €2500 milhões», seguido de «reduzem fatura com juros», deixando implícito que a suavidade fora obra do par Costa-Centeno, cuja fotografia ocupa quase metade de uma das duas páginas dedicadas à reestruturação suave. Lá pelo meio, onde dada a aridez do tema chegarão apenas alguns leitores, ficamos a saber que o «alívio começou logo em 2011», faltando acrescentar que toda a negociação suave foi da responsabilidade do governo anterior.

Sem comentários: