Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/05/2017

ACREDITE SE QUISER: Um talaq, dois talaq, três talaq e estás despedida querida

O triplo talaq (palavra árabe derivada de ṭalaqa "repudiar") é uma prática antiga de divórcio do islamismo indiano, abandonada em outros países e actualmente a ser discutida no Supremo Tribunal da Índia, apesar de os clérigos muçulmanos considerarem ser uma tradição religiosa islâmica que não pode ser modificada ou proibida por leis seculares.

A coisa consiste na faculdade de os homens, perdão, os seres humanos do sexo, perdão, do género masculino, poderem divorciar-se dos seus cônjuges mulheres, perdão, seres humanos do sexo, perdão, do género feminino, dizendo três vezes talaq sem mais delongas ou justificações.

Ao que parece, nos tempos modernos muitos casamentos terminam com um simples telefonema, um SMS ou para os mais actualizados uma mensagem WhatsApp. Resultado: o número de divorciadas é quatro vezes superior ao de divorciados, o que aliás não me parece surpreendente já que cada homem, perdão, cada ser humano do sexo, perdão, do género masculino, pode casar-se com até quatro mulheres, perdão, seres humanos do sexo, perdão, do género feminino.

1 comentário:

Anónimo disse...

Um traaq, dois traaq, três traaq e estás despedida querida...
Alah sempre foi grande e... prático.