Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/05/2017

Dúvidas (196) - E se voltássemos a dar umas porradas aos nossos filhos adolescentes?

O ersatz das correadas (fonte)
Desde há umas semanas mais uma onda de histerismo percorre os mídia a pretexto do jogo Baleia Azul. Só para dar um exemplo, o Expresso de hoje titula na primeira página: «70 mil jovens portugueses já se mutilaram ... 20% dos adolescentes entre os 13 e os 15 anos já se magoaram intencionalmente...».

Como é que o semanário de reverência sabe dos 70 mil e dos 20%? Não poderão ser 7 mil ou 700 mil ou 2% ou 80%? Seja como for, ocorre-me que no passado era habitual os pais darem uma correadas e as mães umas chineladas aos adolescentes aparvalhados (um estado habitual na adolescência) que asneiravam (uma prática corrente nessas idades) e não me consta que os fedelhos sentissem necessidade de se mutilarem. Não será a auto-mutilação o resultado do desuso de uma saudável prática milenar?

 E se voltássemos a dar umas porradas aos nossos filhos adolescentes?

Sem comentários: