Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/05/2017

ACREDITE SE QUISER: Este país não é para refugiados

Depois de um intenso e prolongado labor da eurodeputada socialista Ana Gomes, uma versão lusa de La Pasionaria Isidora Dolores Ibárruri Gómez, não por acaso da família Gómez, a Câmara Municipal de Guimarães, não por acaso a cidade que, segundo a lenda, foi o centro do Condado Portucalente e por isso também conhecida por «berço da Nação», acolheu em Vimaranes, como então se chamava, duas dúzias de yazidis, refugiados do Iraque pertencentes a uma minoria étnico-religiosa curda, vindos da Grécia e chegados a Portugal em Março.

Talvez por não encontrarem grandes diferenças entre as oportunidades que lhes proporcionaria Guimarães e as de Mossul de onde provinham, todos os refugiados abalaram para outras paragens, com uma única excepção. Saman Ali, a excepção, chegado à Portela com um cartão «Thanks Portugal, I love you» confirmou estar completamente integrado na cultura doméstica, ao escrever uma carta aberta que começa por «Me Ajuda Por Favor! Eu Preciso de Você!» A quem? Ao Presidente da República dos Afectos, a quem mais?

Sem comentários: