Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/05/2017

ACREDITE SE QUISER: Ano sabático

«“Todos os anos vemos a idade da reforma ficar um pouco mais longínqua, como é que hoje podemos organizar a nossa vida procurando encontrar um regime em que possamos, ao fim de décadas de trabalho, ter uma pausa na nossa vida, de seis meses ou um ano?“, questionou a líder do CDS. Ao que o Observador apurou, a ideia está ainda em fase de estudo mas passa pela possibilidade, opcional, de os trabalhadores tirarem uma licença (não paga) ao fim de décadas de trabalho contínuo para irem para a universidade, ou simplesmente para “redirecionarem a vida” ou terem um “tempo de lazer”, como detalhou a líder centrista.»

Também Marie Antoinette, casada com Luís XVI, preocupada com a fome que grassava entre o povo sem pão para comer, teria dito segundo Jean-Jacques Rousseau «Qu'ils mangent de la brioche». Provavelmente foi mais uma invenção de Rousseau, ma se non è vero, è ben pensato.

Sem comentários: