Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/08/2016

SERVIÇO PÚBLICO: A globalização está a chegar ao terrorismo islâmico

Para quem tenha estado distraído e imagine que o fundamentalismo islâmico é um tigre de papel e que os atentados que têm flagelado a Europa se vão evaporar como o presidente Marcelo evapora crises (bom, na verdade, as crises de que fala o presidente Marcelo também não se evaporaram a não ser nas presidenciais meninges), será melhor pensar duas vezes.

Para ajudar, pode ler «How a Secretive Branch of ISIS Built a Global Network of Killers» um longo artigo do New York Times de uma dúzia de páginas A4, baseado numa entrevista a um recrutado pelo Estado Islâmico preso em Bremen, de onde se conclui que a prioridade desta organização terrorista deixou de ser construir um Estado autónomo na Síria e passou a ser semear atentados terroristas um pouco por todo o mundo, com prioridade na Europa e especialmente Reino Unido e Alemanha, usando o seu staff local. De onde, ver com o coração a questão dos refugiados, como nunca deveria ter sido vista, passará a ser uma visão irresponsável.

2 comentários:

Unknown disse...

Bom, como dizia o outro, de sinistra memória, "onde não há pessoas, não há problemas".
É nestas situações que ressaltam alguns méritos da legislação anti-terrorista aprovada pela Duma...

Antonio Cristovao disse...

Espero que o futuro me de razão e essa ideia apocalíptica não se confirme, mais uma vez.