Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/08/2016

ESTADO DE SÍTIO: Habituem-se (5)

«Enfim, é expectável (e justo) que muitos assinalem, gozem ou se indignem com as incongruências, cada vez mais gritantes, do “Cenário Macroeconómico” do PS – e, até, que estas sirvam de arma retórica nos duelos parlamentares. Mas convém não esquecer que, na política portuguesa, os factos contam pouco. E que, por isso, o país se entusiasmará sempre mais a discutir as finanças públicas da perspectiva dos estados de espírito (o “pessimismo” de Passos contra o “optimismo” de Costa) do que recorrendo aos indicadores do INE. Em 2009, foi aliás o que aconteceu, quando o “optimista” Sócrates venceu a “bota-abaixista” Ferreira Leite, para dois anos depois entregar o país à troika. E, hoje, se a direita não aprender a lição, arrisca-se a brevemente repetir a derrota: denunciar contas falhadas não chega, é necessário oferecer uma ideia de futuro. Não basta ter os factos do seu lado. Porque, perante a mensagem certa, serão sempre mais as pessoas que preferirão mentiras. E o “Cenário Macroeconómico” prova que António Costa sabe isso muito bem.»

Estas palavras de Alexandre Homem Cristo no Observador identificam bem este facto elementar na política portuguesa, historicamente provado e evidentíssimo nos anos que antecedem as grandes crises (como o consolado de Sócrates): «serão sempre mais as pessoas que preferirão mentiras». A esse facto devemos adicionar um outro que é o enviesamento da maioria dos jornalistas - por isso os costumamos chamar jornalistas de causas. Tanto os de esquerda como os de direita, sendo que por cada 1 destes há n daqueles e por isso, subitamente, desde a ascensão da geringonça ao poder, todas desgraças, injustiças, desemprego, fome e miséria evaporaram-se, para usar as palavras do presidente Marcelo – o evaporador-mor do Reino de Pacheco.

É neste contexto que Passos Coelho tem de fazer oposição sem cair no «bota-abaixismo», que se revela contraproducente, nem no «optimismo» que seria uma mistificação e, de resto, nesse terreno, perderia em toda a linha para Costa. É uma saída muito estreita e certamente exige uma dose mínima de carisma (que não é abundante em PPC, to say the least) e, sobretudo, uma visão para o país, própria, realista, distinta e distinguível do social-corporativismo de quase toda a esquerda (que PPC ainda não mostrou) que mobilize aquela parte do eleitorado que não vive pendurada no Estado e que contenha a legião de apparatchiks que povoam o PSD, impacientes por recuperarem o estatuto de novos situacionistas.

É mais fácil de dizer do que de fazer e, se for possível, levará sempre um certo tempo e requer alguma paciência. Habituem-se.

1 comentário:

Pedro Ferreira disse...

Boa noite,

Venho todos os dias ler o seu blog e relevo o seu realismo. Relativamente ao assunto do seu artigo e considerando que Passos tem um neurónio, a razão para não apresentar saídas para os nossos problemas estruturais( não temos economia para a despesa do estado e suportar o custo da dívida) é que estamos de tal modo condicionados pelos credores que a governação é o que a comissão europeia
entender. Não deixo de lhe referir que, no meu entender, a saída tem ser com medidas radicais, precisamos de cortar na despesa corrente do Estado uns 10 mil milhões de euros, baixa de impostos, redução do custo da dívida(maturidade e juros) e com o dinheiro libertado, investimento público, principalmente, ferrovia e portos, depois deixar a sociedade reagir. As leis penais têm de ser agravadas pois sem justiça célere e dura, vão continuar as imparidades e os empresários continuarão a descapitalizar as empresas e a pedir dinheiro para tesouraria e PER. Uma alternância de governo para fazer menos socialismo vai continuar a degradar a situação até à bancarrota final.