Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/08/2016

SERVIÇO PÚBLICO: Algumas perguntas sobre a segunda visita de Costa a Tsipras

Segundo o semanário SOL, António Costa vai estar a 9 de Setembro em Atenas com Tsipras, Hollande e Renzi para discutir uma «agenda alternativa às políticas de austeridade impostas por Bruxelas por pressão dos estados da Europa do norte». Um dos pontos da agenda é, sem surpresa, a reestruturação da dívida ou, mais precisamente, a reestruturação da dívida é a agenda, o resto é só para compor.


Primeira pergunta: que reestruturação que estará em causa? O perdão da dívida? A Grécia já teve o seu perdão de mais de 100 mil milhões de euros em 2011. Redução dos juros? Portugal e a Grécia já o tiverem por várias vezes e pagam hoje taxas muito mais baixas do que antes da crise financeira. Reescalonamento das maturidades? Portugal e a Grécia já o tiverem por várias vezes.

Segunda pergunta: também são para reestruturar os mais de 100 mil milhões de euros detidos pelos bancos portugueses, pelo Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) e por particulares portugueses?

Terceira pergunta: em particular, também são para reestruturar as duas emissões de OTRV de 750 milhões de Maio e 1,2 mil milhões de Agosto destinadas a particulares portugueses e subscritas por muitas dezenas de milhares de famílias?

Quarta pergunta: aquele pateta que está hoje no governo e que há 5 anos disse: «Estou marimbando-me para os bancos alemães (…) Ou os senhores se põem finos ou nós não pagamos a dívida” e se o fizermos “as pernas dos banqueiros alemães até tremem”» já terá percebido que os bancos alemães se estão marimbando para ele e para a dívida portuguesa de que detêm uma parte ínfima e as pernas que tremeriam são as dos banqueiros portugueses, dos contribuintes portugueses que pagariam o resgate dos bancos portugueses e dos pensionistas portugueses que veriam evaporar-se uma parte significativa das reservas da segurança social?

Sem comentários: