Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/08/2016

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (45)

Outras avarias da geringonça.

É uma fatalidade. Só o governo acredita, melhor, diz acreditar, nas suas metas. A UTAO estima que a dívida pública tenha subido para 131,6% no fim do 1.º semestre já acima da meta do governo no final do ano (124,8%).

É claro que, com toda a naturalidade, a situação portuguesa vista de fora inspira as maiores reservas. Como ao Commerzbank que vê Portugal e Espanha em «planetas diferentes». É natural, basta olhar para o diagrama seguinte com os yields a 10 anos para ter de concordar com esse juízo que a gerigonça talvez possa ignorar. Contudo, já será mais difícil ignorar o que pensa a DBRS, a agência de rating que é a única a manter a dívida portuguesa acima do nível junk e dela depende o acesso ao crédito do BCE. E o que diz a DBRS? Diz que está «preocupada» o que em reitinguês quer dizer cuidem-se que estamos a considerar o downgrade.

Yields 10 anos Portugal e Espanha (Fonte: Bloomberg)
Em Junho foi atingido o volume de crédito à habitação de Março de 2011, um mês antes da intervenção da troika. No primeiro semestre deste ano o volume de crédito à habitação foi de 2,7 mil milhões, um aumento de 62% relativamente ao 1.º semestre do ano passado. Com uma população residente em queda, isto significa que estamos a aplicar o crédito (ainda por cima com a poupança estrangeira) em mais casinhas quando temos várias centenas de milhar desocupadas. Como se fosse pouco, o crédito para a compra de automóvel subiu 30% no primeiro semestre em relação ao ano passado, atingindo mais de mil milhões de euros e, neste caso, diferentemente das casinhas em que uma parte significativa é procura interna, o impacto nas contas externas é quase total. Estamos a percorrer um caminho conhecido para a ruína, desta vez por um atalho.

Exagero? Nem por isso se nos lembrarmos que este crédito é concedido por uma banca presa por cordéis que se tem disposto a financiar o Estado português a um ritmo crescente, como mostra o diagrama seguinte que evidencia ter a exposição da banca portuguesa à dívida pública aumentado mais de 5 vezes em relação ao volume de activos detidos desde o início da crise de 2008.

Fonte: Insurgente
Dito de outra maneira: para financiar a despesa pública, o Estado aspira cada vez mais dinheiro de uma banca cujo funding pelos particulares é cada vez menor porque a poupança das famílias não pára de diminuir. Como a outra parte substancial do crédito é para financiar casinhas e bens de consumo duradouro (quase todos importados) é claro que pouco sobra para financiar o investimento produtivo.

Não deveria, por isso, surpreender ninguém que as contas externas se estejam a deteriorar. «O saldo conjunto das balanças corrente e de capital situou-se em -933 milhões de euros, que compara com -49 milhões no mesmo período de 2015. Todas as componentes da balança corrente e de capital contribuíram para a deterioração do saldo, com excepção da balança de bens e serviços (Económico).

Como o crescimento de 2,4% previsto no celebrado estudo dos 12 economistas do PS já vai em 0,8% (ver este esclarecedor post do Insurgente), Mário Centeno, que dirigiu esse estudo, substituiu na sua narrativa o aumento do PIB pela redução do desemprego. No comunicado do MF, onde dá conta que no 2.º trimestre o crescimento foi de 0,2% face ao primeiro trimestre, diz-nos que «o crescimento económico deverá ser sustentado nos sinais de franca recuperação do mercado de trabalho». Pois.

O folhetim da Caixa teve novos desenvolvimentos que seriam uma vergonha para um governo que a tivesse. A começar porque a lista de 19-administradores-19 do governo não estava em conformidade com as regras da directiva europeia já transposta para o direito interno português - que o governo inacreditavelmente agora se propõe alterar. A continuar porque o BCE chumbou oito dos nomes que não tinham nenhuma experiência bancária e apresentavam potenciais conflitos de interesse por serem administradores de empresas que têm ou podem vir a ter empréstimos da Caixa - a versão oficial é de que teriam cargos a mais, A continuar porque, suprema humilhação, dos 11 que ficaram, 3 serão obrigados a frequentar o curso de Gestão Bancária Estratégica do INSEAD. Pior é possível, mas difícil.

Sem comentários: