Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/01/2016

SERVIÇO PÚBLICO: A obra de Costa. A herança. (3) As contas públicas (I)

Outras heranças.

Valores reais até 2014 e estimados para 2015
O governo PSD-CDS não tem motivos para se orgulhar da sua gestão das finanças públicas. Foi forçado, sob a pressão da troika e da falta de dinheiro, a travar o descalabro da governação socratista e em matéria de défices deixa uma situação menos má do que a herdada.

Começou a inverter a evolução - vejam-se as linhas de tendência polinomial (ordem 3) dos défices em valor e em percentagem do PIB -, mas foi atropelado pelo impacto das resoluções do BES e do Banif (4,9 + 2,3 mil milhões de euros), ou seja o equivalente a 4,2% do PIB, e atropelou-se por causa das eleições.

Sem estes atropelos das resoluções, que, de facto, não são sua responsabilidade, a evolução teria sido mais positiva e teria o aspecto do gráfico seguinte.

Valores reais até 2013, corrigidos da resolução do BES em 2014 e estimados (sem resolução do Banif) em 2015
(Continua)

Sem comentários: