Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/01/2016

ESTADO DE SÍTIO: O preço do prolongamento da vida política de Costa – a componente «paz social» nos transportes públicos

Foi ontem aprovada no conselho de ministros da geringonça a «reversão do processo de subconcessão das empresas de transporte público de Lisboa e Porto».

É cada vez mais patente o preço que o país vai ter de pagar para prolongar a vida política de António Costa, preço que inclui uma série de parcelas entre elas as que resultam de atrelar o PCP à geringonça, proporcionando-lhe em troca a manutenção do seu controlo dos transportes públicos através dos sindicatos, o que requer a bendita «reversão».

Nos próximos dias vão ter lugar várias reuniões do ministro (que já declarou querer a «paz social») com os sindicatos para discutir os aumentos salariais. Um resumo do que estará em causa (fonte: jornal SOL):

CP
  • Os trabalhadores e reformados da CP e familiares voltaram a viajar à borla; 
  • Pagamento de “dívidas” de 14 milhões de euros aos mais de mil maquinistas da CP por horas extraordinárias, prémios de condução (o salário dos maquinistas não é para conduzir comboios) e trabalho nocturno; 
  • Subsídio de 17% do vencimento base do pessoal da CP a título de «horas de escala»; 
  • Subsídio de emergência de 100% do salário horário para os maquinistas chamados de «emergência»; 
  • Prémio de produtividade por cada período completo de trabalho; 
  • Prémio de produtividade de 500 euros por ano; 
  • Prémio de deslocação de 5,26 euros por dia de trabalho; 
  • Diuturnidade de 20 euros;
Metro
  • Subsídio de 30% dos maquinistas do metro para premirem o manípulo que abre e fecha portas; 
  • Subsídio de 9 centavos por km percorrido dos maquinistas do Metro (tal como na CP, o salário dos maquinistas do Metro não é para conduzir comboios) e de 45 euros por cada 500 km nos maquinistas de manobras; 
  • Prémio de assiduidade de 68 euros; 
  • Subsídio de turno de 59,48 euros
Resultado das somas de muitas parcelas

Os trabalhadores da CP e do Metro podem ganhar mais de 60 mil euros por ano; um revisor, por exemplo, tem um salário de cerca de 1.400 euros mas pode receber mais 4 mil em abonos.

Sem comentários: