Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/01/2016

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (14)

Outras avarias da geringonça.

Mostrando uma grande sintonia com os novos ventos que sopram de S. Bento a administração da CP fez a sua parte no pagamento das promessas do PS ao PCP e de prosseguimento da política de protecção do corporativismo, anunciando que os trabalhadores e reformados da CP e seus familiares vão reconquistar um importante direito adquirido suspenso pelo governo neoliberal: vão recomeçar a viajar à borla nos comboios.

A grande novidade dos últimos dias é Costa ir receber importantes reforços internacionais. James Corbyn, líder do Old Labour, com quem Costa terá feito amizade em Bruxelas, virá a Portugal fazer um tour de discursos de apoio ao programa anti-austeridade socialista. São complementares: Corbyn é bastante mais esquerdista e Costa é bastante menos confiável.

À semelhança do governo Syriza que, antes de aplicar um 2.º pacote de medidas pior do que o primeiro que recusou, readmitiu resmas de empregadas de limpeza despedidas pelo governo anterior, a geringonça vai readmitir 211 múmias do Instituto da Segurança Social que ainda estavam em regime de requalificação.

Entretanto, as previsões do PIB e do desemprego para 2016-2019 do documento do PS «Uma década para Portugal» «sumiram-se», escreveu o DN. Espera-se que as previsões reapareçam no OE 2016 devidamente vitaminadas com a política de incentivo ao consumo que tão bons resultados deu no passado. Na verdade, as medidas previstas são um bocado pífias (à volta de 0,6% do PIB ou mil milhões de euros) o que equivale a uma dose que, por um lado, não chega para salvar o paciente e, por outro, também não é suficiente para o matar.

As medidas de incentivo ao consumo são pífias mas o governo já tem um alibi para não aumentar a dose: Portugal não vai sair em 2016 do regime de défices excessivos e, por isso, a CE estará de olho em cima do orçamento. E porquê? Ora que pergunta! Por causa da resolução do Banif que, como se sabe, é culpa do governo neoliberal.

Ainda que pífias, essas medidas já estão por antecipação a ser muito bem acolhidas pelos portugueses que, cansados de tanta austeridade neoliberal, gastaram este ano um valor recorde nas compras de Natal (3,7 mil milhões de euros). As economias chinesa, japonesa, alemã, etc. agradecem.

O que também se espera que dê bons resultados, além dos que já deu (abandono do porto de Lisboa pela Maersk e Hapag-Lloyd) é o prosseguimento da greve dos estivadores.

Mas nem tudo são boas notícias para a geringonça que se divide uma vez mais a propósito dos serviços mínimos decretados pelo governo PS à greve da Galp, decisão que o BE considera ilegal. Razão tem António Galamba ao acusar PCP e BE de ingratidão porque, segundo ele, só reclamam as boas notícias. «É como se uns ficassem com o bife do lombo e outros com os ossos para roer», escreveu com amargura.

1 comentário:

Anónimo disse...

Isto é uma m...
Tenho 72 anos. O estado mandou-me para casa há quase 3 anos com uma reforma de caca. Não tenho carro (automóvel) desde 2006, por opção minha. Desloco-me em t. públicos e em táxi. Vou ter que pagar a estes filhos de uma mãe querida as viagens deles? Temos de os matar; não estou a brincar. Temos de fazer uma revolução ou uma guerra civil.
Eu sei como matar um ou dois. Depois dá nas vistas.

Abraço