Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/01/2016

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Os judeus belmontenses e a lei de Gresham

Confesso que ignorava quase tudo sobre a comunidade judia de Belmonte. O pouco que fiquei a saber provém da leitura do artigo do Expresso «O êxodo dos judeus de Belmonte».

Dos 300 em 1985 restam hoje só 55 judeus entre os 3 mil belmontenses. É uma comunidade em decadência, com pouca iniciativa e ilustração que não se distingue de muitas outras do Portugal do interior, sofrendo os efeitos nefastos da consanguinidade resultante da endogamia durante gerações, para escapar às perseguições.

É uma maldição. Nós que reprimimos e perseguimos os judeus e os expulsámos de Portugal nos finais do século XV, deitando pela borda fora o fermento social que poderia proporcionar uma comunidade culta, próspera, diligente e empreendedora que se distinguia da brutidade do povoléu, ficámos com os mais fraquitos. É uma espécie de lei de Gresham aplicada à evolução das sociedades.

1 comentário:

Anónimo disse...

Há sempre idiotas nos lugares de decisão. D. Manuel I foi fundamentalmente estúpido pois para agradar aos reis católicos (queria casar comum uma sua descendente para ficar rei da ibéria) perseguiu árabes e judeus que nos tinham ajudado a mudar de um país de caca para uma potência mundial. A primeira besta quadrada da nossa história.