Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/01/2016

ACREDITE SE QUISER: Volta Korba, estás perdoado

Sessenta e dois anos após a sua morte, Iossif Vissarionovitch Djugashvili, mais conhecido como Estaline, ou Korba para os amigos, continua a ser venerado na Federação Russa, apesar desta já não incluir a Geórgia, a sua terra natal.

Em 2016 a Penza, uma pequena cidade com meio milhão de habitantes nas margens do rio Sura a 600 km de Moscovo, irá celebrar o «ano de Estaline» inaugurando um museu e um centro cultural dedicados ao culto da criatura, coincidindo com o 80.º aniversário da constituição soviética promulgada por Estaline.

Apesar de todas inumeráveis e inenarráveis atrocidades de que foi o primeiro responsável (ver a série de posts «CAMINHO PARA A SERVIDÃO: Martin Amis recorda Koba, o terrível»), 39% dos russos mostram respeito ou simpatia pelo ditador – apesar de tudo, menos dos que mostram respeito ou simpatia por Vladimir Putin.

3 comentários:

Anónimo disse...

Se se clickar em «CAMINHO PARA A SERVIDÃO: Martin Amis recorda Koba, o terrível)», vamos para «Nenhuma mensagem corresponde à consulta: Martins Amis recorda Koba, o terrível.»
Eu fui lá porque ainda sei umas lascas de organização de sites. Mas o "vulgar parolo" não vai, não...

Abraço

Anónimo disse...

Depois do abraço, alembrei-me e fui ver o que há na Net sobre Estaline e Lenine, acima de tudo as suas origens genéticas e o seu percurso dde vida.
Vale a pena.

Outro abraço (já são muitos para um dia)

Impertinente disse...

Havia um erro no link. Já corrigi. Obrigado