Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/01/2015

Lost in translation (218) - A desmesura da Professora Doutora Raquel Varela

Não sendo frequentador da Professora Doutora Raquel Varela, só cheguei a esta sua confissão no Facebook porque li vários comentários a respeito da falta de respeito da Senhora. Depois de o ler atentamente, sinto-me obrigado a declarar que não concordo ser a falta de respeito a coisa mais importante no referido escrito.

A desmesura que impressionou a Senhora Professora Doutora
O mais importante é o lapso freudiano da Professora Doutora pela dúzia de palavras perdidas no meio da sua elucubração teorética de denúncia do mau gosto e das propriedades alienantes da família Aveiro quando escreve: «da estátua patética – que associa força e sexualidade a um falo desmesurado».

Ou, para dizê-lo de modo ainda mais simples, a coisa mais importante são as duas últimas palavras dessa dúzia que falam desmesuradamente mais alto do que todo o resto da elucubração. O aparente despropósito dessas duas palavras (a menos que a Professora Doutora esteja a investigar a matéria) para a demonstração do pensamento da «Figura pública», como se classifica a Senhora Professora no Facebook, diz-nos mais sobre as suas inquietações do que todas as suas pesporrências que escreve.

2 comentários:

Anónimo disse...

a Ana Gomes Varela deve ser uma investigadora teórica, com vontade de alguma prática...
neves

Anónimo disse...

Pelos visto e vistos, pouca práctica e pouca uva.
eao