Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/02/2019

DIÁRIO DE BORDO: Confessando outra vez a minha irremediável ignorância

Outras confissões do mesmo género sobre "género".


Ao princípio era o clássico LGBT, depois foram os 10 "géneros" LGBTIQQAAP (L = lesbian, G = gay, B = bisexual, T = transgender, I = intersex, Q = queer, Q = questioning, A = allies, A = asexual, P - pansexual). Mais tarde os 71 propostos pelo Facebook no Reino Unido.

Os 71 "géneros" seriam imbatíveis, pensei. Pensei mal. Neste comentário um leitor preocupado com a minha ignorância dá-me «conta dos últimos avanços da mais zenital conquista civilizacional», a saber: os 112 "géneros" identificados pelo Tumblr (don't ask). De entre os 112, cito apenas um que me parece o sexo vagabundo definido como se fosse o bosão de Higgs:
«Verangender: a gender that seems to shift/change the moment it is identified
Em quanto e quando é que isto vai acabar? Ninguém sabe. Toda esta criação é provavelmente produto de mentes esquizofrénicas, isto é de pessoas «que perdem a capacidade de pensar de uma forma lógica e, consequentemente, de comunicar e de se relacionar, passando a viver num mundo paralelo e sem as normas pelas quais se regem as pessoas ditas normais». Ora essas mentes são abundantes sobretudo entre a esquerdalhada mais radical e, reconheça-se, até entre certas direitas. Se for assim, o limite máximo para o número de "géneros" deverá andar actualmente pelos 7 mil e picos milhões.

Quando uma criatura vos abordar com uma lista de "géneros" fazei-lhe uma PET (Tomografia por emissão de positrões) e confirmai se aparece a manchinha vermelha característica.


Entretanto, resolvi questionar-me sobre o meu "género" e descobri que sou transeconómico.

2 comentários:

Ricardo disse...

Antigamente era o 115 para tudo,até para levar os doidos.

Daniel Oliveira disse...

Isto diz tudo. Parabéns!
Sendo de ciências, o exemplo central do bosão partiu-me todo, obrigado!!