Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/02/2019

SERVIÇO PÚBLICO: “Aos amigos, tudo. Aos inimigos, nada. Aos restantes, cumpra-se a lei”.

«Portugal tudo perdoa e relativiza. Somos tão cristãos que até perdoamos a quem jamais demonstrará arrependimento, desde políticos sem ética nem vergonha, a gestores geniais que arruinaram milhares de vidas. Na verdade, tudo é facilmente perdoado neste país, das pequenas às maiores patifarias, exceto uma coisa: morder a mão de quem nos alimenta. Foi o que fez o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, que, num país pequenino, cometeu o pecado supremo. Virou-se contra a ordem natural de que ele próprio fizera parte durante anos, como gestor da CGD e de outros bancos.

Senão vejamos: este é o governador que não só ‘mordeu a mão’ do primeiro-ministro que o nomeou, José Sócrates, como mais tarde ajudou o seu sucessor a deitar abaixo o maior lobby que existia em Portugal e que alimentava muita gente dos negócios, da política, da comunicação social e até dos sindicatos. Isto é imperdoável para muitos que prefeririam que o governador tivesse seguido os passos do seu eficaz e vigilante antecessor, que, como sabemos, acabou por ser promovido para Frankfurt.

Carlos Costa cometeu erros, a resolução do BES foi uma experiência trágica e existem questões por explicar sobre a sua passagem pela Caixa, tal como o JE tem noticiado nas últimas edições, numa excelente investigação da nossa redatora principal Lígia Simões. Mas não podemos ignorar que o seu percurso é semelhante ao de 99% dos quadros da banca portuguesa, que fizeram carreira sem levantar ondas e, expressão apropriada, ajudando ao quórum dos comités de crédito.

O que o distingue de outros que entravam mudos e saíam calados de tais convénios é o facto de, assim que teve poder para tal, ter tido a coragem de enfrentar interesses que jamais haviam sido desafiados. Só por isso, Carlos Costa já merece o nosso respeito, independentemente de tudo o resto. Tivesse agido de outra forma e hoje não seria vítima da máxima, apócrifa, atribuída a um dos pais do regime: “Aos amigos, tudo. Aos inimigos, nada. Aos restantes, cumpra-se a lei”. (*) O governador encontra-se na segunda categoria, mas arrisca-se a receber também o tratamento previsto para a terceira.»

«Aos amigos os favores, aos inimigos a lei» crónica de Filipe Alves no Económico

(*) Não sei quem a quem é atribuído este lema, talvez inspirado em Maquiavel que escreveu: «Aos amigos os favores, aos inimigos a lei.»

Por razões que em boa parte se devem ao governo de Passos Coelho (quando tiver tempo explico porque digo isto), a imprensa de hoje é visivelmente mais livre do que nos tempos de Sócrates. Daí que no passado aqui no (Im)pertinências se escrevia muitas vezes o que a boa imprensa dos socialistas silenciava. Felizmente, hoje podemos dedicar-nos mais às citações.

3 comentários:

majoMo disse...

Relativamente à nota de rodapé, onde indica "Não sei quem a quem é atribuído este lema", informo que o autor é o conhecido membro insigne da 'Vanguarda' Socialista, Almeida Santos (conhecido em Moçambique pelo Almeida 'Tantos'...).

Unknown disse...

E o ribombante silêncio em torno de Carlos Santos Serra?
Quanto ao vitinho, percebe-se : quando foi ascendido à direita(?) de Draghi, passou a inimputável...
Coitado do Costa - do Carlos,claro, não do vigaristazeco que faz de "primeiro-ministro"...

Unknown disse...

Carlos Santos Ferreira, obviamente.
Mea culpa.


JSP