Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/02/2019

Se o comunismo é o contrário do capitalismo, o feminismo é o contrário do machismo?


Foi o título, parecido com muitos outros, que o Guardian escolheu para informar que nos Grammys deste ano as artistas do sexo género feminino ganharam 31 prémios, contra 17 o ano passado, e que o hip-hop foi o género musical mais celebrado.

Sendo o capitalismo a exploração do homem pelo homem e o comunismo o seu contrário, se o machismo é o culto da dominação de um sexo género pelo outro, o seu contrário será o feminismo? E, já agora, se o triunfo do hip-hop é a celebração da diversidade, o triunfo do country seria a celebração da homogeneidade?

E, se não for abusar das perguntas, a diversidade também ganharia se a socialite Michelle Obama fosse trocada pela socialite Melania Trump?

Sem comentários: