Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/02/2019

SERVIÇO PÚBLICO: Os novos idiotas úteis

«Uma peça da Renascença era clara: a presidente da associação de moradores do bairro Jamaica, Dirce Noronha, afirmou que a esmagadora maioria dos habitantes do bairro não é contra a polícia, que a polícia não é racista e que as pessoas dali não estavam interessadas em manifestações antipolítica marcadas pela SOS Racismo e quejandos. Mas claro que os ‘media’ seguiram Mamadou Ba e o SOS Racismo nas tais manifs. Resultado? Uma manif à porta da Câmara do Seixal contou apenas com três pessoas do Jamaica. Havia mais jornalistas do que pessoas do Jamaica – para mim, é o facto central das últimas semanas, porque mostra a existência de uma instrumentalização partidária e mediática deste problema que é contrária à sensibilidade e aos interesses das pessoas reais destes bairros.

... o que é a SOS Racismo: um mero apêndice do BE mascarado de ONG independente. Portanto, os jornalistas têm de decidir: continuam a seguir o pronto-a-pensar do BE ou ouvem pessoas como a Dirce?...

... a voz da SOS Racismo não é a voz da verdade sobre este tema; a SOS Racismo é apenas uma marquise ideológica do BE, e deve ser tratada como tal.»

Querem a realidade da Dirce ou o fanatismo da SOS Racismo?, Henrique Raposo no Expresso

A expressão «idiotas úteis» designava os jornalistas, artistas e intelectuais que faziam a propaganda do comunismo e da União Soviética, sendo desprezados pelos comunistas a quem serviam.

1 comentário:

Ricardo disse...

E idiotas(úteis ou inúteis) nunca faltaram,pelo contrário,são cada vez mais(seja em nome do tacho/emprego,das causas selectivas ou da ideologia)