Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/02/2019

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Web Summit - as 200 mil dormidas já ninguém nos tira (7) - Ó afronta das afrontas

Uma sequela de (1), (2), (3), (4), (5) e (6)

Recapitulando: já concedi que umas dezenas de milhar de visitantes (o número de participantes em 2018 foi cerca de 70 mil), vá lá, uns cento e tantos mil, que por cá apareçam para ver o show de várias luminárias, incluindo o extra-programa do presidente Marcelo a agitar-se no palco, gastem umas dezenas de milhões de euros, vá lá uns cento e tantos milhões, justificando assim os 11 milhões que o governo paga com o nosso dinheiro ao Paddy. Quanto aos intangíveis, que por serem intangíveis nunca ninguém os vai tanger, esses, como já aqui escrevi são insultos à inteligência.

Outro dos intangíveis atribuído à realização da Websummit pela coligação do jornalismo de causas com os opinion dealers foi transformar Lisboa numa Tech City e fazê-la constar do respectivo ranking, colocando a capital dos alfacinhas no topo do mundo, a exemplo das resmas de portugueses (sobretudo alfacinhas) já no topo do mundo.

Infelizmente para o complexo de inferioridade nacional, a Savills que promove esse ranking não ligou às aspirações da coligação e borrifou-se para Lisboa e não a incluiu nas 30 cidades mais tecnológicas, apesar da lista incluir, ó afronta das afrontas, Bangalore e a Cidade do Cabo.

Sem comentários: