Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/02/2019

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Portugueses no topo do mundo (11) - Se não fosse a concorrência...

Outros portugueses no topo do mundo.

Sob o título megalómano-gongórico «Estamos à beira de uma revolução nos carros elétricos e Portugal tem o papel principal», o semanário de reverência conta-nos que «a investigadora portuguesa Helena Braga trabalha há dois anos numa solução que pode mudar a indústria dos carros elétricos... e não só. Basta que as empresas o queiram, porque a tecnologia já está encontrada».

Aprecie-se o «e não só» que sugere que podemos estar à beira de muito mais do que uma modesta revolução nos carros eléctricos, o que já não seria pouco. É claro que há algumas dificuldades: «o projeto que lidera está agora numa espécie de impasse. A tecnologia para construir baterias mais seguras e que garantam uma maior autonomia está descoberta, falta dar-lhe escala e dimensão industrial.»  Ou seja, falta aquela coisa que faz passar o que parece ser uma boa ideia que ganhou uma medalha num concurso de inventores a um negócio.

E tudo porquê? Ora porque haveria de ser: «do outro lado da barricada, estão as empresas que hoje produzem baterias para o mercado mundial e que não veem com bons olhos a chegada de uma tecnologia concorrentes que lhes destrua a essência do negócio.» Só podia ser a concorrência a dar cabo do negócio. O que fazer? O Estado Sucial suprimir a concorrência, ou não sendo de todo possível por causa de Bruxelas, domesticá-la e, principalmente, subsidiar a coisa.

2 comentários:

Anónimo disse...

A invenção do carro eléctrico vem desde o início do século XX.
Isto das empresas de pilhas é lixado.
Muito melhor é o estado (destas coisas) que gasta à tripa forra para as domésticas...

Anónimo disse...

"subsidiar a coisa"

É verdade mas, se não subsidiassem não haveria nem uma coisa nem outra ... que seria a coisa mais saudável.

Há coisas que a nem a tecnologia nem a ciência ainda conseguiram resolver nem se vislumbra que venham a conseguir. Baterias eficientes (no mundo real) é uma delas. Outro caso, condensadores electrolíticos bons baratos e pequenos.

Outro caso, mais recente, transístores ainda mais pequenos (a coisa estagnou).