Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/02/2019

Títulos inspirados (85) - A inteligência artificial como sucedâneo da falta de inteligência natural


«Governo recorre à inteligência artificial para exportar mais» titulou o semanário de reverência para promover a «estratégia» do governo que vai usar «o e-commerce, o bigdata, o design thinking e o machine learning, etc.» (ou seja and so on). Estratégia de internacionalização da economia que «nunca teve tanta escala e coordenação» nas palavras do secretário de Estado Brilhante Dias, em promoção.

O brilhante Dias não explicou como conseguiram os industriais do vestuário e do calçado e outros exportadores de sucesso exportar sem tal estratégia e desprovidos de «o e-commerce, o bigdata, o design thinking e o machine learning, etc.», nem quais os produtos que o governo irá fabricar para exportação, para além das tretas em que é um fabricante de referência.

1 comentário:

Anónimo disse...

Aprecio-vos. Ponto — que, hoje, não é final.

A grande verdade está no facto que a superadundância da estupidez natural leva qualquer sociedade à desgraça.
Baço ou brilhante — desde que estúpido — tem garantida a sopa (vichyssoise para quem aprecia sopas). Na mesma passada, garante a miséria dos restantes.
NT: Convém lascar umas de Inglês...