Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/02/2019

Lost in translation (317) - Não é tout court? Será tout long?

Por alguma razão desconhecida, só hoje me apercebi da boutade do Sr. General Ramalho Eanes, em entrevista à Lusa, a propósito dos 40 anos das relações diplomáticas entre Portugal e a República Popular da China (aqui citada) na qual postulou:
«A China não é como nós julgamos, um regime totalitário tout court»
Fiquei momentaneamente perplexo, até me recordar do Sr. General Ramalho Eanes ter sido eleito presidente da República do MFA em acumulação com a presidência daquele órgão chamado Conselho da Revolução (o nome diz tudo) que tutelava a quase-democracia portuguesa, órgão cuja perenidade o Sr. General chegou a defender.

Continuando o esforço de memória recordei que enquanto habitava o palácio de Belém se reuniu de um grupo de luminárias que lhe fez um partido chamado PRD (Partido Renovador Democrático) sob o seu «patrocínio tácito», partido com o qual o Sr. General se propôs salvar aquilo que considerava democracia tout court.

2 comentários:

Anónimo disse...

Sobre a "Democracia" na china é interessante ouvir o que foi dito na parte final do seguinte programa francês
https://www.youtube.com/watch?v=gJgflGoChbE

Bilder disse...

E além disso temos o 5g(impulso para uma nova "democracia" global) https://planetadosprimatas1.blogspot.com/2019/02/futuro.html