Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/08/2017

Lost in translation (297) - Ele queria dizer "austeridade alternativa"


Owen Jones, o comentador e activista político com um fácies de copinho-de-leite, adepto do «socialismo democrático» fabiano, que defende a convivência entre a democracia política e a propriedade social dos meios de produção, convivência cuja inviabilidade a história já mostrou abundantemente, escreveu no Guardian, um locus onde se podem encontrar muitos outros adeptos da mesma doutrina, um artigo sobre a experiência da geringonça lusitana onde tenta demonstrar a justeza do título.

Alguém deveria explicar ao jovem Jones que a alternativa de Costa à austeridade, com os seus aumentos de impostos, perdões fiscais, cativações, cortes do investimento e aldrabices no orçamento e nas contas, é mais exactamente uma «austeridade alternativa».

E se ele pensa que that lie has now been nailed deve ser porque só tem um martelo e vê tudo como pregos.

2 comentários:

Unknown disse...

"Cheira" a publicidadezinha redigida, para os crentes internacionais...E ademais aparece num órgão da "famiglia"...
"Birds of a feather, etc.".

Anónimo disse...

«QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS.»

Aí está, ó bruxos.

Abraço