Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/08/2017

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Biopsia ao maior e mais agressivo carcinoma no tecido político-económico do regime

Secção Res ipsa loquitur

Se é verdade que o Público faz demasiadas vezes o papel de intendente do regime e porta-voz da esquerdalhada, seria injusto não reconhecer que tem lá gente de qualidade, com um módico de independência e desatrelados das corporações que governam o país.

Por isso, deve relevar-se o excelente trabalho (mais de compilação e sistematização do que de investigação, esclareça-se) no artigo «Suspeitas de gestão danosa na antiga PT» de Cristina Ferreira que faz uma biopsia ao maior e mais agressivo carcinoma no tecido político-económico do regime. (Se fosse mauzinho diria que o artigo deve ter sido lido alguma satisfação pelos Azevedos donos do jornal a quem o duo Sócrates-Ricardo Salgado e a sua cambada furaram a OPA.)

Quatro afonsos para Cristina Ferreira.

1 comentário:

Anónimo disse...

É com júbilo que volto a ler atribuições de Afonsos. Cristina Ferreira merece.

Os autores do Glossário das Impertinências merecem uma estátua — para ser derrubada...