Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/08/2017

Dúvidas (205) - O líder que a oposição precisa é Passos Coelho?

É uma dúvida recorrente, que parece não existir nas mentes da geringonça e por isso catam palavras nas intervenções de Passos Coelho e aplicam-lhe o melhor das suas hermenêuticas para o tentar entalar. Vejam-se, como exemplo, as reacções à homilia do Pontal:

António Costa, líder do PS: «Acho absolutamente lamentável que se tenha quebrado um consenso nacional que sempre existiu, que perante tragédias desta natureza não haja aproveitamentos políticos»;

Catarina Mendes, secretária-geral do PS: «um homem só, desnorteado, errático e prisioneiro do seu passado» (ao contrário do chefe de Catarina para quem o passado é o que ele quiser);

João Galamba, porta-voz do PS, quase doutor em Filosofia Política pela London School of Economics e docente na Mouse School of Business: «um líder político e o líder político do maior partido da oposição, a ensaiar um discurso racista e xenófobo»;

Joana Mortágua, bloquista, irmã da Mariana: «ensaiou um discurso que não é habitual e que vai ao encontro de posições xenófobas recentes».

Só o tio Jerónimo é que parece não ter tido tempo para catar o discurso de Passos Coelho.

De onde, uma vez mais, devemos concluir que Passos Coelho não é o líder da oposição que a geringonça precisa.

Sem comentários: