Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/08/2017

ESTÓRIA E MORAL: Quem não tem dinheiro não tem vícios nem delicatessen

Estória

Há décadas que os médicos e os dietistas vêm induzindo toda a gente, em particular os obesos e os com colesterol elevado e um risco elevado de doenças cardíacas, a adoptar uma dieta mediterrânea.

No entanto, as conclusões de um estudo da equipa italiana Moli-sani Study Investigators, baseado na análise de 18 mil indivíduos e publicado recentemente no International Journal of Epidemiology apontam noutro sentido:

«MD is associated with lower CVD risk but this relationship is confined to higher socioeconomic groups. In groups sharing similar scores of adherence to MD, diet-related disparities across socioeconomic groups persisted. These nutritional gaps may reasonably explain at least in part the socioeconomic pattern of CVD protection from the MD.»

Em suma, a dieta mediterrânica só funciona para quem tiver um alto rendimento ou uma elevada educação, isto é para quem não precisa muito dela porque não come habitualmente as comidas farta-brutos do povo ainda com memória geracional das fomes seculares.

Moral

Quem não tem dinheiro, além de não poder ter vícios (a menos que tenha crédito), também pouco lhe adiantariam as dietas saudáveis, se as adoptasse.

Sem comentários: